A Convenção de Minamata sobre Mercúrio realizou sua 3ª Conferência das Partes (COP3) em Genebra, Suíça. Países de todo o mundo se reuniram durante cinco dias para fortalecer seus esforços no sentido de reduzir e eliminar os efeitos adversos das emissões de mercúrio, e entre as principais questões, a do amálgama dental.

A proposta para proibir o uso deste produto encontrou forte oposição de 6 países africanos, porém o amálgama para uso odontológico não pode ser eliminado rapidamente porque os materiais que existem para substituí-lo elevam o preço do tratamento dentário e prejudicam a manutenção da saúde bucal.

Redução gradativa – O Ministério da Saúde brasileiro defende a redução gradativa do uso do amálgama, mas acompanhada de medidas preventivas que fortaleçam a saúde bucal. O Brasil já proíbe o uso do amálgama em granel e no país o produto somente pode ser utilizado encapsulado e já cumpre alguns dos 9 itens da convenção, que em 5 anos deverão ser revistas.