Sesai – O Simpósio de Sustentabilidade serviu para mostrar aos participantes o trabalho que vem sendo feito pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai-MS), que adota uma política nacional de Atenção à Saúde desses povos e que foi apresentada por Gabriel Côrtez (foto). Ele relatou  que o trabalho é feito com indígenas de 274 línguas diferentes, de 305 povos, mais de 5 mil comunidades e aldeias, totalizando uma população de cerca de 900 mil indígenas.

Trabalham no projeto 5012 equipes multiprofissionais de saúde e 500 cirurgiões-dentistas nos 34 distritos sanitários. As viagens, pelo Alto do Rio Negro (Amazonas, divisa com a Colômbia), levam de 3 a 4 dias de barco e quando chegam ao local, em geral o atendimento é feito “ao pé de uma mangueira, que oferece sombra”, conta Gabriel.

Ele afirma que o amálgama é utilizado fortemente na Saúde Pública, crescendo seu uso porque cresceu o acesso da Atenção à Saúde Indígena, mas que também está sendo utilizado o ionômero de vidro, diminuindo o uso do amálgama, porém apenas na Região Sudeste.