A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIRURGIÕES-DENTISTAS – ABCD, em celebração ao Dia Mundial da Saúde Bucal  que se comemora no dia 20 de março, destaca a importância da data e pretende durante todo este mês de março, recomendar aos cirurgiões-dentistas que trabalhem junto aos pacientes e à população a importância da  saúde bucal. Para Dr. Silvio Cecchetto, Presidente da Entidade, “os cuidados com a higiene oral, durante esta época de pandemia, deve ser redobrada, com as pessoas em casa, a facilidade na ingestão de doces,  a ansiedade e o descaso com a escovação, aliada ao consumo de bebidas alcoólicas e cigarros, podem acarretar problemas bucais”, Silvio Cecchetto reforça também que “ o auto exame é simples de ser realizado e pode evitar problemas mais graves, orientando os pacientes que no caso de apresentarem alguma lesão, o cirurgião-dentista deverá ser informado o quanto antes, prevenir sempre será a melhor solução”. Para a ABCD, que nos anos anteriores a esta pandemia realizava campanhas juntamente com as Entidades parceiras, diretamente nas ruas, atendimento gratuito à população, ressalta que não se pode descuidar da saúde bucal pois suas consequências podem interferir diretamente na saúde geral.

Prevenção oral versus pandemia

Para a Dra. Fabiana Quaglio, Estomatologista e consultora científica da ABCD, atualmente, segundo relato dos colegas cirurgiões-dentistas, há um aumento significativo nos casos de periodontite, gengivite e de outras doenças sistêmicas, decorrentes do isolamento social e da crise econômica que estamos enfrentando. “Estresse, má alimentação ou alimentação desregrada, relaxamento nos hábitos de higiene bucal, aumento do consumo de álcool e tabaco e outros fatores têm concorrido para o maior número de doenças bucais.” Menciona Dra Fabiana Quaglio.

Câncer bucal – “Estes fatores – afirma a especialista – com certeza acarretarão, no futuro, o recuo nos trabalhos de prevenção de várias doenças, entre elas o câncer bucal. Por esta razão é que  a ABCD procura reforçar que o cirurgião-dentista não deixe de destacar aos seus pacientes os cuidados com a higiene bucal.

A ABCD quer motivar a classe odontológica a se atentar aos reflexos da pandemia no diagnóstico tardio do câncer bucal e outras doenças reforçando a campanha de conscientização e redobrando a atenção à prevenção precoce destes problemas. Há, inclusive, infográfico disponibilizado pela Dra. Fabiana e dirigido especificamente ao autoexame bucal  que deve ser demonstrado ao paciente ensinando-o a realizar em casa. (VEJA AO FINAL DO TEXTO)

“O câncer bucal é considerado mundialmente problema de Saúde Pública e evidencia a necessidade do preparo do cirurgião-dentista desde a formação acadêmica. “No caso do diagnóstico precoce de tumores iniciais, a chance de cura é acima de 95%,” salienta Dra. Fabiana. Mas não podemos esquecer que o Brasil é o 3º país com maior incidência de câncer de boca, no sexo masculino com faixa etária acima de 40 anos, temos conhecimento do registro de 15 mil casos/ano, com altas ocorrências de câncer de boca”, afirma a especialista.

Falta de informação e diagnóstico tardio

Fator preocupante – “O Instituto do Câncer (Inca) alerta que o HPV tem sido fator preocupante em relação aos casos da doença entre os jovens devido, em especial,  ao sexo oral sem proteção, – a principal forma de contágio. “Tratando-se de tumores orais cada minuto importa”, alerta a Dra. Fabiana. Ela reforça que o medo da doença e a falta de informações confiáveis são fatores que podem acarretar o diagnóstico tardio”.

Dr. Silvio Cecchetto destaca que “cabe ao cirurgião-dentista, no consultório, executar ações diárias para orientar, alertar e combater os hábitos nocivos à saúde, diagnosticar e tratar doenças. além de promover iniciativas de prevenção – primárias e secundárias – desmistificando, informando e esclarecendo ao paciente e à população, a importância e o cuidado com a saúde bucal.

Os hábitos de higiene oral também são imprescindíveis no combate do câncer bucal:  escovação, uso de fio dental (3 vezes por dia), autoexame e atenção a lesões que permanecem por mais de 14 dias. “ O câncer de boca é indolor e silencioso. É preciso atentar a aftas que não cicatrizam e não doem, que podem ocultar a doença.”, alertam a especialista Dra. Fabiana Quaglio e o presidente da ABCD, Dr. Silvio Cecchetto.