ABCD marca presença em reunião da ONU que decide aumentar restrições sobre o uso do amálgama dental

 

Após intenso debate técnico e diplomático, que só terminou as 5h da manhã de sábado, a quarta conferência das partes da Convenção de Minamata sobre o mercúrio, decidiu entre várias outras novas restrições a produtos contendo mercúrio, não permitir o uso de mercúrio a granel por cirurgiões-dentistas, e não permitir o uso de amálgama dental para o tratamento odontológico de dentes decíduos, de pacientes menores de 15 anos e de mulheres grávidas e lactantes, exceto quando considerado necessário pelo cirurgião-dentista com base nas necessidades do paciente.

ABCD, participou oficialmente, como membro observador da COP-4 a convite do Secretariado Minamata em Genebra. Liderada, pelo professor Claudio Fernandes da UFF/Nova Friburgo e Assessor Internacional Científico da ABCD, a delegação envolveu nove participantes dos segmentos de educação profissional, educação em saúde, pesquisa, normas técnicas, indústria, entidades associativas, sustentabilidade e organizações sociais.

O Brasil já cumpre a 1ª parte da nova restrição, mas o cumprimento da 2ª parte, pode apresentar sérios desafio, especialmente para a seleção adequada de materiais restauradores alternativos.

O texto da decisão traz uma conquista importante para a classe de profissionais da odontologia, pois nomeia expressamente o profissional clínico, como o tomador de decisão dos casos de exceção, em reconhecimento ao único profissional que detém o controle científico sobre a saúde dos pacientes.