A Campanha Nacional de Prevenção do Câncer de Cabeça e Pescoço é evidenciada no mês de julho – e, por essa razão, é intitulada “Julho Verde”. O objetivo é ampliar o número de diagnósticos precoces, de forma a evitar e minimizar óbitos e mutilações graves que possam comprometer atividades laborais importantes do paciente, como a fala, a alimentação, a visão, a audição e a cognição.

Conforme o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o Brasil registra cerca de 41 mil novos casos de câncer de cabeça e pescoço a cada ano. A incidência deste tipo de câncer, em geral, ocorre em função do tabagismo e do consumo de álcool. Entretanto, o aumento de casos em jovens tem ocorrido também em função da exposição ao vírus HPV, um fator de risco que se manifesta nas relações sexuais desprotegidas, sem o uso do preservativo.

O Conselho Federal de Odontologia (CFO) apoia e entende que a mobilização frente ao “Julho Verde” se faz necessária, uma vez que o Cirurgião-Dentista tem um importante papel na campanha de prevenção do câncer de cabeça e pescoço. O profissional colabora para o diagnóstico, uma vez que os primeiros sintomas se manifestam na cavidade oral, da face e da região de orofaringe dos pacientes.

Para o Presidente do CFO, Juliano do Vale, a campanha do Julho Verde “é uma importante ferramenta para destacar e reforçar o papel do Cirurgião-Dentista como um profissional de saúde atento para um todo, e não somente na saúde bucal”. Ele também reforça que a campanha deve incentivar os Cirurgiões-Dentistas a orientar seus pacientes quanto aos primeiros sintomas e buscar um diagnóstico precoce.

Na Odontologia, a Estomatologia é uma especialidade que tem por objetivo a prevenção, o diagnóstico e o tratamento das doenças próprias do complexo maxilomandibular e das manifestações bucais de doenças sistêmicas, auxiliando no diagnóstico desses tipos de câncer. Outra especialidade que também contempla um olhar aprofundado aos primeiros sintomas na região de cabeça e pescoço é a Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial (CTBMF), responsável por diagnosticar e realizar o tratamento das alterações e das deformidades de todas as patologias envolvendo a face, além de todo o aparelho estomatognático. Entretanto, é importante frisar que todos os Cirurgiões-Dentistas são capacitados clinicamente para o diagnóstico precoce das lesões bucais e de cabeça e pescoço.

Cerca de 70% dos casos de câncer de cabeça e pescoço chegam em estado avançado para o tratamento. De acordo com o Cirurgião-Dentista Everton J. Silva, Cirurgião Bucomaxilofacial, Coordenador do Departamento de Odontologia do Hospital do Câncer do Mato Grosso (HCan-MT) e do Programa de Residência em CTBMF da mesma instituição, o diagnóstico precoce contribui para um tratamento com mais chances de cura e menos métodos invasivos ao paciente.

“O câncer de cabeça e pescoço, juntamente com o câncer de boca, correspondem ao terceiro tipo de câncer com a maior incidência no Brasil. Quanto mais ampliarmos a campanha ‘Julho Verde’ e difundirmos as informações necessárias, é possível identificar a doença no estágio inicial, facilitando um prognóstico muito melhor aos nossos pacientes”, recomenda Silva.

Alguns dos principais sintomas dos cânceres de cabeça e pescoço são:

  • Feridas ou úlceras bucais que não se cicatrizam há mais de 10 dias;
  • Ínguas, nódulos ou espessamento na buchecha;
  • Área avermelhada ou esbranquiçada nas gengivas, língua, amígdala ou revestimento da boca;
  • Irritação na garganta ou sensação de que alguma coisa está presa ou entalada na garganta;
  • Dificuldade para mastigar ou engolir;
  • Dificuldade para mover a mandíbula ou a língua;
  • Dormência da língua ou outra área da boca;
  • Alterações na voz, sensação de rouquidão ou de espinha na garganta que persistem por mais de 7 ou 10 dias;
  • Nódulos ou gânglios aumentados no pescoço;
  • Perda de peso;
  • Mau hálito persistente.

Fonte: Ascom CFO
imprensa@cfo.org.br